Monday, July 26, 2010

Grandes momentos de maturidade#1

Crescimento emocional. Há dias em que fico admirada com o que cresci nos últimos tempos. A minha capacidade de gerir as emoções está, definitivamente, mais madura. Tanto que há alturas em mudo os vários chapéus da vida com uma enorme facilidade, sem ter que esconder de mim mesma o que vai cá dentro.

Sunday, July 25, 2010

Amanhã vou acordar assim...



... em formato duplicado, a desdobrar-me em várias pessoas para mais uma semana a correr.

I hope...

Uma pessoa perde as expectativas. Deixa de acreditar nos grandes romances. Conforma-se com a falta de sensibilidade e bom senso dos homens. Resigna-se à falta de sorte.

E depois... Depois ouve alguém dizer que outro alguém é a pessoa perfeita... e com sinceridade!!! E pronto. Fica assim meio para o chateado porque lá fica a acreditar que sim, é possível. Sim, todos nós podemos ser o mundo para outra pessoa.

O problema é que desde que ouvi aquelas palavras voltei a ter esperança. E a esperança, para quem está sozinha, é lixada.

Fiéis

Na política, como na fé, há pessoas que nunca perdem os valores em que acreditam. Não temos de concordar com tudo o que dizem. Não precisamos de assinar por baixo de todos os seus atos.

O mais fascinante é quando, anos e anos depois de terem sido derrotados, continuam fiéis às suas crenças. Ser assim fiel a um tipo de fé, é qualquer coisa que me... deslumbra.

Diário da casa nova#6

Escolhi fazer as coisas com calma, apesar de estar cheia de vontade de me mudar. Enquanto espero pelos móveis vou encaixotando 26 anos de vida. O mais bonito de tudo é encontrar objectos que nos fazem viajar no tempo, seja para nos levar aos momentos mais felizes ou aos menos felizes.

Gracias a la vida que a balança pende para o lado dos mais felizes.:)

Saturday, July 24, 2010

O mundo é uma ervilha

As terças costumam ser sagradas. Depois do tango, há Roda de Choro no clube Lusitano (como é verão não tenho cumprido a regra, mas isso-agora-não-interessa-nada). Vou sempre com as mesmas amigas e a noite torna-se candidata a momento da semana.

E não é que esta terça, em plena semi-festa de anos desta menina, conheço a cara que alimenta este blogue, por intermédio deste senhor:). Empatia imediata e pronto. Gosto muito de conhecer gente nova (e simpática).

Friday, July 23, 2010

A maior conquista da minha vida

Há qualquer coisa de absolutamente fantástico quando, no meio do rebuliço do dia-a-dia, me apercebo de que sou quem controla o caminho.

Quando resolvo os problemas sem parar o mundo. Quando ultrapasso as tormentas quase sem ninguém se aperceber delas. Quando decido. Quando chego a casa e me sinto bem, apesar dos dissabores. Quando aceito que vou ter de conjugar o que de bom e mau a vida me trouxer.

Quando me sinto preenchida, apesar da enorme vontade de conquistar mais, e não tenho medo do amanhã.

Sentir tudo isto foi a maior conquista da minha vida.

Tuesday, July 20, 2010

Desabafo quase em ponto de ebulição#2

há dias em que apetece tanto descansar. há meses que não tenho um dia só para isso.

Monday, July 19, 2010

Da memória e saudade

"Aquele que partiu
Precedendo os próprios passos como um jovem morto
Deixou-nos a esperança.

Ele não ficou para connosco
Destruir com amargas mãos seu próprio rosto
Intacta é a sua ausência
Como a estátua dum deus
Poupada pelos invasores duma cidade em ruínas

Ele não ficou para assistir
À morte da verdade e à vitória do tempo

Que ao longe
Na mais longínqua praia
Onde só haja espuma sal e vento
Ele se perca tendo-se cumprido
Segundo a lei do seu próprio pensamento

E que ninguém repita o seu nome proibido."

Sophia de Mello Breyner Andresen

Sunday, July 18, 2010

A vida tal como ela é

Quem nunca deu por a pensar consigo próprio 'ai se não tivesse feito isto...' levante a mão! Sim, já todos passámos por aquele momento de auto-flagelação em que percebemos que metemos a pata na poça... e já é tarde demais. Aí juramos ao nosso ser interior que jamais cometeremos tal erro.

Eu costumo dizer aos meus amigos que têm filhos que o maior desafio da parentalidade é aceitar o crescimento das crianças, controlando o ímpeto (natural) de os andar sempre a proteger. É que as pessoas precisam de aprender com as quedas. Aprender não só as lições de vida que essas quedas dão, mas também a levantar-se do chão.

É este conselho que ando a tentar aplicar na minha vida. Não vale a pena pensar demasiado nos atos. Não é por analisar, minuciosamente, cada situação que se evita uma queda no futuro. Os maus momentos, as más escolhas e os erros fazem parte das nossas vidas (e todos os vamos cometer).

Não existem preservativos que nos protejam das amarguras da vida. A vida é para ser vivida tal como é. Com o bom e o mau a correrem lado-a-lado.

Saturday, July 17, 2010

Estado de espírito#8



Verdes são os campos,
De cor de limão
Assim são os olhos
Do meu coração.

Camões

Friday, July 16, 2010

Sunday, July 11, 2010

So true...


"There will be little rubs and disappointments everywhere, and we are all apt to expect too much; but then, if one scheme of happiness fails, human nature turns to another; if the first calculation is wrong, we make a second better: we find comfort somewhere."

Mansfield Park, Cap. V, de Jane Austen

roubado daqui.

O que será que será

O que será que será
Que andam suspirando pelas alcovas
Que andam sussurrando em versos e trovas
Que andam combinando no breu das tocas
Que anda nas cabeças, anda nas bocas
Que andam acendendo velas nos becos
Estão falando alto pelos botecos
E gritam nos mercados que com certeza
Está na natureza
Será que será
O que não tem certeza nem nunca terá
O que não tem conserto nem nunca terá
O que não tem tamanho

O que será que será
Que vive nas ideias desses amantes
Que cantam os poetas mais delirantes
Que juram os profetas embriagados
Que está na romaria dos mutilados
Que está na fantasia dos infelizes
Está no dia-a-dia das meretrizes
No plano dos bandidos dos desvalidos
Em todos os sentidos, será que será
O que não tem decência nem nunca terá
O que não tem censura nem nunca terá
O que não faz sentido

O que será que será
Que todos os avisos não vão evitar
Porque todos os risos vão desafiar
Porque todos os sinos irão repicar
Porque todos os hinos irão consagrar
E todos os meninos vão desembestar
E todos os destinos irão se encontrar
E mesmo o padre eterno que nunca foi lá
Olhando aquele inferno vai abençoar
O que não tem governo nem nunca terá
O que não tem vergonha nem nunca terá
O que não tem juízo

Chico Buarque

E depois... ficamos bem

Dizem que é o primeiro desgosto que nos marca a vida. Eu acho que é a primeira canalhice que se torna o "ponto zero" das nossas vidas, aquele sinal imaginário a partir do qual medimos se é bom ou mau tudo o que nos fazem.

E assim vamos vivendo e convivendo com os que nos rodeiam. Sempre a achar que A e é melhor que B e que C não é tão bonzinho como parece, já que, o D afinal é muito melhor. Tudo isto nos enriquece, nos ensina. Umas vezes dá-nos medo e faz-nos recuar. Outras incentiva-nos a colocar o pessimismo em segundo lugar.

Mas o melhor de tudo vem quando vivemos as coisas sem medo. Sem medo de saber como vão acabar, sem medo de perder ou ganhar o que quer que seja. Sem medo que se repita a tal canalhice que nos marcou. Talvez melhor ainda seja chegar ao fim das etapas e ver que se está bem.

Friday, July 09, 2010

Desgosto pela vida dos outros

A minha definição preferida de inveja é a que vem no dicionário da Priberam.
"Desgosto pelo bem alheio."

Por mais que me custe ver este desgosto pela minha forma de estar de "bem com a vida", ainda deve ser mais lixado ter de a sentir. Deve ser duro ser uma pessoa assim pequenina com uma vidinha de merda. Lá está, a inveja é uma coisa fodida.

Monday, July 05, 2010

Começámos com um post

Um texto provocado por um choro de bebé no voluntariado. Um gosto e desejo em comum. Chá para aqui, chá para ali comecei a referir-me a ela como a minha amiga Clara.

Estive lá num dos dias mais especiais da vida dela. Foi com orgulho que, num jardim cheio de sol, a vi jurar amor. Nada que eu não soubesse, mas mesmo assim os gestos de ternura e amor não deixam de me emocionar e enternecer.

À distância percebo o GRANDE amor que ela está a viver, o da maternidade. Quando leio o que ela escrever e vejo as fotografias que têm com a filha sinto a sensação de estar eternamente apaixonada. Fico feliz. Sim, a imagem da felicidade das minhas pessoas também não deixa de me fazer feliz.

Mas dana-me que tudo seja à distância. Dana-me não ter tempo para me meter num avião e voar até São Miguel. Dana-me que goste tanto da bebé e ainda não lhe tenha pegado ao colo. Dana-me tanto que, na maior parte dos dias, escondo o sentimento da saudade.

O único consolo é a esperança do momento que a distância se vai quebrar.

Para a C. e para a I.

Saturday, July 03, 2010

Queridos nativos, europeus e americanos que passam férias ou trabalham em resorts,

Então é assim: nem todas as mulheres que vão sozinhas ou com amigas passar uns dias de descanso à beira-mar andam à procura de sexo ocasional.

Obrigada por se mostrarem interessados, mas em primeiro lugar não é obrigatório ser-se solteira e mal amada para se ir de férias com as amigas. (Só para esclarecer as coisas eu sou solteira, no entanto faço intenções de continuar a ter férias with my girls se algum dia esse estado civil se alterar)
Em segundo lugar - e por muito difícil que seja difícil de acreditar -, as pessoas podem gostar de se divertir, de dançar, rir e beber um copo sem segundas intenções.
Para terminar, sim é possível ir de férias para descansar, apanhar banhos de mar, banhos de sol, conhecer uma cultura nova e estar no dolce fare niente com aqueles de quem gostamos.

E pronto é isto!

Cabo Verde em imagens (só assim para fazer inveja)






E se Portugal fosse uma província espanhola...*

...
- Os voos para Menorca passariam a ser internos e daí diários;
- Teríamos um salário mínimo de quase 700 euros;
- Haveria mais supermercados do El Corté Inglés, sítio onde se podem comprar os melhores tampões do mundo;
- Éramos campeões da Europa;
- Férias mais baratas em todas as ex-colónias espanholas, uma boa parte delas fica nas Caraíbas;
- O Prado era um museu nacional;
- Tínhamos 3 Óscares no país;
- Custo Barcelona era uma marca nacional, logo mais lojinhas espalhadas pelo país
e como Espanha é uma monarquia a possibilidade de um dia nos casarmos com um príncipe

*post irónico (para quem não percebeu)

Diário da casa nova#5

Só quero aqui dizer que mobilar e decorar uma casa nova é uma árdua tarefa. Bem árdua!

Todos somos várias pessoas

Cruzei-me esta semana na rua com um escritor conhecido da nossa praça. Habituada à imagem de galã da referida personagem fiquei surpreendida com a conversa que o ouvi ter ao telefone.

De telemóvel em punho e aliança grossa e reluzente, que se destacava num look casual de fim-de-semana, dizia a alguém do outro lado da linha que não se tinha esquecido das salsichas para a filha mais nova e que ia buscar o mais velho e o do meio à escola. A conversa decorria com a terceira mulher que estava a preparar o fim-de-semana prolongado com os enteados, frutos de duas anteriores relações do escritor.

Não resisti a fazer um ar de espanto, do género "mas-tu-também-tens-preocupações comezinhas-e-tratas-das-tuas-crianças-e-até-te-passas-ao-telefone
-com-a-tua-mulher-como-se-fossem-assim-um-casal-normal?!"
É que sempre o tinha visto como um escritor mulherengo, livre e sem compromissos. E se calhar ele até é assim. Mas também é mais do que isso. Além de homem é pai, companheiro, filho... E em poucos segundos o impacto daquele encontro imediato fez-me pensar na quantidade de papéis sociais que representamos na vida.

Eu sou mulher, jornalista, filha, amiga, tia. Sou uma só Carolina, mas as minhas diferentes tarefas podem-me fazer parecer diferentes Carolinas...